11 de jul de 2013

Algo de Insano: III - A menina cabelo-roxo

     
   Sétima série, treze anos, idade que Pedro e Camila começaram olhar pras outras pessoas de forma diferente. Não me inclui nisso, porque até essa época não olhava para os meninos com segundas intenções, ou pelo menos não admitia. Então, a Camila começou gostar de um menino chamado Gabriel, ele era da nossa sala desde a quinta série, e ele era bem legal, mas ela vivia falando: 
   _Ai meu, ele é tão lindo, é o menino mais bonito da sala, não, da sala não, do colégio! Ai e ele é tão legal, engraçado, eu acho que estou gostando dele!
   _Ah, você acha é?! Porque eu tenho certeza.
   _Ai Laurita, para de ser chata, é o primeiro menino que estou gostando, não sei como devo agir, o que devo fazer, dá um desconto, vai!
   _Ta bom, ta bom, mas chega de falar nesse Gabriel, já estou ficando irritada!!
   _Eu acho que a senhorita não está irritadinha porque fico falando dele, mas é porque tem uma certa menina da sexta série que tem mechas roxas que está arrancando suspiros do nosso amigo Pedro... é esse o motivo né?!
   _Claro que não, meu, eu não ligo pra quem o Pedro gosta ou deixa de gostar, dane-se ele e a menina cabelo-roxo, não ligo, e ela é uma pirralha que se acha com aquelas mechas mal feitas!
   _Ui, que bravinha, heim!
   _Agora chega, o Pedro está vindo!
   Tínhamos umas discussões parecidas com essas pelo menos uma vez por dia, e eu realmente me irritava com essa coisa deles dois estarem gostando de alguém e ficarem me ignorando o tempo todo. Conforme as semanas iam passando, essas paixonites iam piorando, a Camila só falava do Gabriel, e o Pedro não parava de olhar pra menina cabelo-roxo, e ele não falava nada pra mim, nem pra Camila. Mas para os meninos ele falava, um dia ouvi ele dizendo que ela era a menina mais linda que ele já tinha conhecido.
   Nós passávamos todos os intervalos na quadra vendo o Gabriel jogar bola, o Pedro também jogava e a menina ficava na quadra vendo ele jogar. Estava me incomodando, mas piorou em um dia que eu estava sozinha no banheiro e a tal menina veio falar comigo, sim, comigo!
   _Oi, você é amiga do Pedro Henrique né?!
   _Sim, eu sou amiga dele, por que?
   _É porque ontem ele pediu pra eu pegar um papel que estaria com você no intervalo.
   _Vocês já conversaram?
   _Sim, na verdade nos falamos todo dia, desde a semana retrasada. Mas você está com o papelzinho?
   Eu estava com o papel, mas fiquei tão curiosa para saber o que era que fui obrigada a mentir.
   _Ele me entregou o papel, mas eu coloquei no bolso e acho que caiu, porque não está aqui, desculpa.
   _Tudo bem, então no final da aula eu falo com ele, tchau!
   Ela saiu e eu entrei em uma cabine pra ler o papel.
   "Júlia, aqui está a sua entrada para o festival de sábado, não te entreguei pessoalmente porque você me disse que não queria que ninguém desconfiasse de nós dois. Essa minha amiga, a Laura, ela é muito confiável, relaxa; ela não leu isso, tenho certeza. Mas até depois, beijo!"
   Será que eu tinha entendido direito, ou será que estava vendo coisas, eu não sabia, mas sabia que estava muito confusa, estava me sentindo traída, e estava me sentindo mal, poxa, ele confiou em mim e eu li o papel, pelo menos estávamos quites.

Nenhum comentário:

Postar um comentário